Tag: hawaii

UMA GRINGA EM HAWAII – ALERTA DE CHUVA

Categoria(s): | Publicado em: 25 de agosto de 2015

Oi, gente !!! Tudo bom?

a de cá “piscou essa noite aqui em Hawaii. Ontem, estava dormindo “o sono dos justos”, quando o meu celular e o de Mike começaram a apitar, tipo o som de um despertador. Quando fomos ver, era alarme de chuva intensa e possível alagamento na área.  Ou seja, às duas da manhã, mandaram nos avisar que o momento inspirava cuidados. Só pensei em tragédia, carros arrastados pela água, pessoas soterradas, árvores caindo… Aqui em uma ilha, né? Sei lá. Pela janela, nada demais, só o clarão de raios e trovões e chuva forte… Mas isso tem em todo lugar. Na rua, tudo bem também. A água escorrendo e o ralo fazendo o papel dele de escoar… Fomos dormir.

Fotos retiradas do site http://fkpmd.zip.net/ e www.abaixodezero.com respectivamente

Fotos retiradas do site http://fkpmd.zip.net/ e www.abaixodezero.com respectivamente

No outro dia, os comentários. TODOS OS CELULARES receberam tal aviso. Era tipo “ALERTA DE PERIGO. CHUVA FORTE E INTENSA na localidade até 7 da manhã. MANTENHA-SE EM CASA”. Todo mundo estava vendo que chovia. Por que avisar? Pisquei, não vou mentir. E, pela manhã vimos que choveu o equivalente a 500.000 litros de água só no bairro. Muita coisa. Mas você pensa que a rua estava destruída? Nada. O chão estava apenas molhado e tinha trabalhadores na rua limpado os possíveis estragos. Aqui as coisas REALMENTE funcionam. Está todo mundo preparado pra uma tragédia. Tem alerta pra tudo. Há alguns dias fomos alertados sobre o furacão Hilda. Todo mundo nervoso, tínhamos que tirar todas as coisas da varanda, as escolas suspenderam as aulas. Mas aqui nem brisa chegou. O furacão bateu em Big Island (outra ilha de Hawaii) e chegou manso aqui. Graças aos céus e talvez a minha avó, já que esse também é o nome dela. Inclusive, dizem que “Deus é brasileiro”, mas, após esses NÃO acontecimentos, acredito que seja havaiano também. Há muitos anos não acontece nada de mau por essas bandas. Quando falo anos, me refiro, há muuuuuuuitos, tipo mais de 20. Ou seja, como eu, Deus é HaBaiano. Oremos. Copiou?

E sigamos, Hawaii !!! Adorando te conhecer !!! 😉


Voltei !!!

Categoria(s): | Publicado em: 23 de junho de 2015

Cheguei !!! Cheguei em Salvador, voltei e já cheguei novamente à Hawaii !!!

Passei uma semana no Brasil, foi massa, mas também é bom voltar !!! Isso significa que já me sinto em casa aqui !!! A sensação ainda é de ressaca. Sete horas de diferença e ainda não voltei ao normal. Baby Consuelo cantou muito “O Hawaii é aqui”, mas não é , não. É muito longe. Essa história de atravessar os Estados Unidos pra pegar uma conexão é bizarro. Foram mais de 60 horas de viagem, contando ida e volta. Muito cansativo e estressante. Fiquei mais no aeroporto de Atlanta do que em Salvador. Mentira, estou exagerando, mas foi muito tempo mesxxxxxxxxmo. Mas valeu a visita, valeu rever os amigos, a família, o azeite…

15 horas em Atlanta esperando um voo...

15 horas em Atlanta esperando um voo…

Comidinha, porque ninguém é de ferro !!!

Comidinha, porque ninguém é de ferro !!!

Embora os aborrecimentos também tenham sido muitos, foi bom voltar. Pior é que não pude resolver tudo em uma semana. Deixei para mais tarde. A alegria de reencontrar pessoas queridas compensou tudo. Minha terra é breada, mas é a minha. Foi de lá que eu vim e é sempre lá que recarrego minhas energias. Não deu pra ver todo mundo, mas deu. A opção era “isso ou nada?”. Preferi ISSO. É foi isso. Sem tempo pra choros. Pisquei, voltei. Sigamos.

Das coisas que observei:

1) Atlanta tem muuuuuuuuuuuitos negros. E olha que só fiquei no aeroporto, hein? Mas me senti em Salvador. Ou seja, em casa.

2) Salvador está mais sofrida, com baixa auto estima. Tem uma atmosfera melancólica no ar. Por outro lado, encontrei um clima mais ameno. Tirando o garçom estúpido de um desses restaurantes que vendem caranguejo, achei as pessoas mais dispostas a ajudar. Da Oi à atendente da Gol, me senti bem tratada e respeitada. Coisa que não era comum nos ultimos tempos.

3) Em ano em que o dólar está nas alturas para nosso amigo real, comprar haianas no Brasil foi como comprar bananas. Bananas do Brasil, é claro. Porque as de Hawaii também são facadas.

Nunca pensei que voltar pra cá seria tão desejado. Achei minha paz.  Quando estou aqui, parece que o mundo pára. Talvez também, porque, quando acordo, o dia já está no meio no Brasil. Isso significa que os problemas e as soluções caminham, independente de mim.

Mas agora é colocar a vida em dia. Amanhã retornarei ao curso, domingo é meu aniversário. Tanta coisa a pedir, tanta coisa a agradecer. Que meu novo ano seja leve, doce e com boas notícias !!! Ando cansada, devo confessar. É claro que é difícil ficar deprimida num lugar como esse, com um gatinho de responsa ao seu lado, mas é que, infelizmente, os problemas nos acham, mesmo que esteja a quilômetros de distância. Amo meu Brasil, mas, na boa, agora sou só HaBaiana.

PicMonkey Collagefam3

Little family… Irmã e amor recíproco !!! Redescobrindo a cidade !!! Salvador, minha Africa io io…

PicMonkey fam2

Pretas que amo… Prima e Madrinha !!!

PicMonkey Collagefam

Primas delíiiiiiiiiiiicias e irmã !!!

PicMonkey Collagerosca

Jantamos rosca… Com amigos BOM DEMAIS !!!

PicMonkey Collageamigos

Quem tem amigos tem tuuuuuuuuuuuuuuudo !!!

PicMonkey Collagepilates

Amigos e pilates… Casamento perfeito !!!

 


ENGLISH… Agora é minha vez !!!

Categoria(s): | Publicado em: 7 de junho de 2015

Oi, gente !!!

Acordei bem cedo pra fazer post. Muita coisa há de rolar hoje, então, confiei no ditado de que “Deus ajuda a quem cedo madruga”. E está ajudando mesxxxxxxmo.

Nos últimos dias entrei “na cachaça” de querer falar inglês de qualquer forma. Alguém me disse “Um dia você vai ouvir um CLICK e estará falando”. Estou esperando esse CLICK até hoje. Mas ok. Sigamos. Na “cachaça doida”, estudei muito, todos os dias… Resolvi até fazer aula privada, com um professor particular. Eu quero falar bem, com segurança, com concordância. É difícil. Engraçado que sempre achei que para aprender inglês fosse necessário apenas dedicação. Mas não é. Acho que é preciso também uma dose de atenção. Atenção a fala, ao ouvido, ao entendimento… E o melhor: Um carinho pela língua. Sou ruim de ouvido, viu? Uma vez ouvi de um professor que nós temos muitos sabotadores. Tipo dificuldade em algumas coisas. “Espíritos” que sabotam nossos sentidos. Uns não sabem ver, outros não saber falar, ouvir… O meu é ouvir. Muitas vezes, eu ouço uma indicação, mas repito o mesmo erro milhares de vezes. Se eu não relaxo e fico atenta a esse sentido, não consigo avançar. Era assim na Faculdade, é assim na minha vida e, é claro, tem sido assim no meu aprendizado com o inglês. Eu não ouço direito como a palavra é realmente falada e isso se reflete em minha pronúncia. Saída? Ouvir! Mas como ouvir se eu não ouço? Eu ouço, mas não ouço. Entende? Quando eu volto minha atenção realmente para o que eu tenho que ouvir, eu ouço. E esse tem sido o meu desafio: OUVIR de verdade.

Na pratica, tenho assistido filmes e séries em inglês e com legenda em inglês. Depois, tento tirar a legenda e tento ouvir o som, as palavras e as entonações de verdade. Fácil não é mesxxxxxxmo. Porque, além de tudo que vem no pacote de dificuldade, tenho preguiça de assistir duas vezes em menos de 24 quatro horas o mesmo bagulho.

Outra coisa que tenho feito é conversar com pessoas de outras línguas. Conheço poucos brasileiros aqui, não faço como muitos estudantes brasileiros em outros países que correm de seus “patrícios” para não terem que falar em português. Eu tenho colegas brasileiros, sim, inclusive, em minha sala. Amo encontrá-los, falo todos os dias, mas procuro também encontrar os outros, os estrangeiros, conversar, trocar ideias, ouvir os sotaques, os acentos, sair, marcar encontros… Eu também não sento todos os dias no mesmo lugar. Troco sempre.

Toda semana eu e meus colegas nos encontramos no Doraku, um restaurante japonês bala que tem aqui. O gerente já nos conhece tanto, que volta e meia nos dar algo de cortesia. A gente passa a noite toda bebendo sakê, comendo sushi e fofocando. Tudo em inglês. Tem japonês, suíço, coreano… Falando inglês. Uma vez por semana, nosso encontro é certo. O nome é “Sushi Time” ou “Sushi Sakê Party”. Saímos bêbados, felizes e quase professores de inglês. kkkk Não mesmo. Porque, ô coisa que melhora inglês é essa danada da “cachaça”. kkk

Tem também Max, um colega suíço que volta e meia faz pão pra gente. Semana passada marcamos em minha casa e foi uma farra !!! É o “Max’s Bread Party”.  ADOOOOORO !!!

"Sushi Sakê Party"

“Sushi Sakê Party”

Minha galera aproveitando o pão de Max em minha casa !!! Crédito da montagem: Aymi Kanemoto

Minha galera aproveitando o pão de Max em minha casa !!! Crédito da montagem: Aymi Kanemoto

Essa semana, mudei de nível. Eu era B1, agora sou B1 PLUS. Isso significa momento tenso. kkkk Mudei porque estava odiando meu novo professor do B1 e, como já tinha estudando algumas assuntos, resolvi tentar. Quando você acha que pode, tem que experimentar. Optei por passar dificuldade no novo nível sendo feliz, do que continuar no mesmo nível tendo que aguentar hoooooooooras um professor chato. Inclusive, até agradeço a ele. Porque isso não deixou de ser um incentivo. Gente, em Janeiro eu era A2, o nível mais baixo do curso, agora já sou intermediário. É claro que, para mim, o mais importante é falar. Eu ainda não entendo muitas falar (coisas do sabotador que falei há pouco), mas continuo tentando, STEP BY STEP.

A galera !!! B1 e B1 PLUS

A galera !!! B1 e B1 PLUS

E pra fechar o pacote, na quarta-feira, talvez por conta da TPM, rolou uma crise. Não queria voltar ao curso, estava me achando péssima no inglês… Chorei muito !!! Quis parar. Mas como Deus é massa, “meu amor recíproco e saudável” me incentivou, disse aquelas coisas bonitas que a gente DEVE ouvir quando está com a auto estima no pé. Então me piquei pro curso e, na sexta-feira, fui eleita a aluna do mês. Tipo… ganhei uma semana de curso de graça, um cartão de 15 dólares da Starbucs e um tapa no meu ego. É claro que foi uma surpresa. Eu não falo inglês. Ainda. Misturo verbos, concordâncias… Estou caminhando. Meu inglês é para bebês. Mas, segundo eles, além de dedicada, com bom score, sou disciplinada. Falo inglês o tempo todo na escola, converso com todo mundo… Coisa de brasileiro, né? Adoro “me amostrar”. Então, falo mesmo. Muitas vezes, tenho consciência de que esquartejo a língua, de que falo que nem gringo no Brasil, lenta e engraçada. Mas falo, falo, falo muito. Meio que penso: Está com tempo? Senta aí e me ouça !!! E falo até cansar. kkk

Estou feliz !!! B1 PLUS, Melhor aluna do mês… Só falta falar inglês. kkkk  Dando na cara do meu sabotador !!! Quem é ele? Porque eu sou filha de Roxinha e Wilson, neta de Hilda e cada vez mais brasileira.

Agora ali. Me dei um presente. Logo, logo saberão.

Com os diretores do IIE, sendo eleita a melhor do mês !!! Agora só falar falar inglês... kkkk

Com os diretores do IIE, sendo eleita a melhor do mês !!! Agora só falar falar inglês… kkkk

 

 


Meu bujão, meu estilo…

Categoria(s): | Publicado em: 21 de Abril de 2015

Gente,

Gosto muito de juntar coisas e fazer minhas coisas. kkk É isso mesmo. Coisas e coisas. Sou dessas de desenhar coisinhas ou olhar vitrines e estilizar modelitos. Um belo dia, na sobra de um tecido, desenhei um vestido tipo bujão, gostei tanto que, depois, fiz várias outras versões do mesmo modelo. De lá pra cá são sete anos com meus muuuuuuuitos vestidinhos. São práticos, funcionais e estilosos. Desculpe, sem modéstia agora.

Eles são bem larguinhos, com elásticos no busto e na perna, tipo uma roupa pra bujão de gás. Se eu quiser, posso colocar um cinto e já é outro design. É confortável e a depender do tecido posso usar em várias ocasiões. Tenho até a versão casamento. E se sinto frio posso colocar um blazer por cima e tá tudo certo. Tenho alguns que de tão surrados, terei que dar um tempo, coitados. Uso em casa.

E com as cores e o clima de Hawaii, sou quase uma havaiana. Sou, sim. Sou HaBaiana !!!

PicMonkey Collagestyle

“Que sobe, que sobe, que sobe!”

PicMonkey Collagestyle2


Por que Hawaii?

Categoria(s): | Publicado em: 6 de Março de 2015

Tem muita gente que me pergunta porquê escolhi Hawaii para viver. Good question.

Makapu (Honolulu/HI)

Makapu (Honolulu/HI)

Eu sempre tive a vontade de conhecer outros lugares, aprender outra língua… E sempre aditei por muitos fatores. Aí, de repente, todos os caminhos me trouxeram pra cá. Primeiro, porque fiquei extremamente fragilizada com a partida de minha preta-mãe, depois porque não gosto de andar em círculos e era exatamente essa a minha sensação nos últimos tempos em Salvador. O mesmo meio, as mesmas pessoas, os mesmos trabalhos… Felizmente, não tinha do que reclamar de trampo. Não parei nos últimos três anos. Mas eu queria mais.

Em 2012 criei um projeto com uma amiga, que ficou aquém de nossas expectativas. Não conseguimos, por nossa responsabilidade mesmo, dar a nossa cara. Idealizamos, conseguimos dinheiro, mas deixamos que outros realizassem. Nos faltou força e coragem para peitar e só seguir quando tivéssemos a certeza de que era o que realmente queríamos. Não foi. Nem um pouco. Mas valeu a experiência. Valeu o encontro com as pessoas. Valeu o aprendizado.

Tem gente que acha que os pais quando envelhecem viram pesos, mas eu, pelo contrário, quis minha mãe aqui para sempre. Amava (amo) incondicionalmente e ela sempre foi uma das razões da minha felicidade. Sempre foi e será minha melhor amiga. Só que nem tudo é eterno e quando precisei me despedir dela, uma luzinha ascendeu. Fiquei pensando quais eram as coisas que realmente me deixavam feliz. Pensei: Viajar, amo viajar !!!

Mas queria que fosse por um bom tempo, para aprender e viver outras culturas, trocar experiência. Foi quando eu e meu amor recíproco e saudável cogitamos #PartiuUSA. Só que eu detesto frio. Mesmo. Me tira o humor. De verdade. Então pensamos em Hawaii. Não só pelo clima, mas como também pela energia, que é muito próxima do Brasil !!!

E eis que enfim, cheguei !!! Estou aqui há dois meses, me acabando de estudar inglês, tentando descobrir coisas, que vão desde achar uma depiladora decente à saber a história de Hawaii,  dos grandes heróis, com surgiu tudo, a geografia, suas ilhas e seus nativos. Estou amando, mas não é mole. Não é Salvador, nunca saí de Salvador para morar em outro canto. Nunca fiquei tanto tempo longe do português. Nunca tanta coisa.

Quando a gente pensa em Hawaii, lembra logo de surf, praia, paraíso… Né? Mas não só isso, não. Tem tudo isso e muitos outros “issos”. Que eu estou disposta a conhecer, a respeitar e amar.

Quanto a Salvador, minha “Africa iô iô”, minha terra querida, continuo amando e achando o melhor lugar do mundo !!! Não porque é perfeita, mas porque foi lá que eu nasci. E esse orgulho é nítido sempre que preciso contar uma história e explicar como é o lugar de onde eu vim, mesmo em english. Não saí brigada, não saí porque não deu certo. Saí porque quero mais !!! Muito mais !!! E que esse MAIS venha me fazer feliz !!!

Que Deus cuide mim e de todos os meus. Only !!!

ALOHA !!! MAHALO !!!

Até mais !!!