Tag: polêmico

Ainda sobre sexo, as negas e outras coisitas…

Categoria(s): | Publicado em: 20 de setembro de 2014

Olá, gatíssimos !!!

Essa semana foi coisa, né? Finalmente “Sexo e as Negas”, o seriado polêmico de Miguel Malabella estreou. Como já falei, não sou muito fã dele. E confesso que só assisti ao primeiro capítulo pelo alarde. Não perco meu sono por quase nada nessa vida. Referências? Me desculpem, mas não é na TV que as busco, apesar de me identificar com algumas coisas. Mas se for pra ter referências, temos algumas, sim. Então, por que não falar das boas? Tivemos a belíssima novela “Lado a Lado”, temos brilhando na TV os atores Lázaro Ramos, Taís Araujo, Milton Gonçalves, Camila Pitanga, Ailton Graça, Fabrício Boliveira, Zezé Mota, Sheron Menezes, no telejornal Gloria Maria, Heraldo Pereira… E quero ver isso ver isso crescer, cada vez mais.

Quanto à versão daqui de “Sex And The City” (história das quatro mulheres novaiorquinas que chegou em minha vida num momento muito delicado de desapego e que foi providencial), gostei das musicas (liiiiiiiiiiindas), das atrizes (boas e liiiiiindas)… Mas do seriado em si, ok, eu deixaria passar. Se não fosse tanto barulho seria mais um, como “Pé na cova” e tantos outros sem sal e sem açúcar que ele costuma fazer. E ele sempre fez folclore das coisas, gente. Deem uma googlada e comprovem. Mas foi tanto alarde, que audiência pipocou, de certo.

Não, eu não sou da turma que defende o seriado. Apenas não super valorizo. E que também queria ver antes de declarar qualquer coisa. Fico assustada com a hoje “volta da ditadura disfarçada de questionamentos”. As pessoas não querem mais discutir, ponderar, conversar,  “conhecer antes de…”. A moda agora é ofender, é brigar, é ameaçar. E se você não concordar com ela, passar a fazer parte da facção “estúpida”. Vi muita gente compartilhando com o texto “Olha o que o estupido fez ou falou”. Desculpe, mas se sentir ofendido não lhe dá o direito de ofender. E é exatamente que fazem com quem não vota no candidato da preferência, no time do coração, não detesta a Globo e blá, blá, blá. Na boa, “tá tudo fora da ordem”.

Sim, eu sou da turma que não odeia a Globo, mas que também não a considera a coisa mais importante do mundo. Esse endeusamento é que é um dos maiores problemas. Dizem que não gostam, mas não vivem sem. Acho que dão muita importância a algo que não tem o papel de educar. Poderia também. Mas ninguém se iluda. A TV está aí para lucrar e entreter. Até teria outro papel, em outro mundo, onde as pessoas se ouvissem e gostassem de consumir a verdade e o que é educativo. Querem prova? Dou várias. Quantas vezes você acordou cedo pra assistir ao “Globo Ecologia”? E “Pequenas Empresas, Grandes Negócios”? Seu filho conhece o “Palavra Encantada”? Você sabe qual é a principal atividade econômica do Acre? Qual é o nome que se dá ao encontro do mar com o Rio Amazonas? Quais são os principais programas infantis da TV Educadora? Inclusive é a TV Educadora, empresa paga também por nós que, portanto, nos deve  “satisfação” e “obediência”. As outras são particulares, podem fazer o que quiser. É claro que dentro da lei. Se nos sentimos ofendidos, temos muitos diretos, inclusive, um processo… Mas sem essa de querer moralizar… A luta é pela igualdade, não pelos “bons costumes”, sacou?

A gente precisa é aprender a desligar a TV, quando não for o que a gente quiser ver e/ou ouvir. É comprar livros, conversar com os vizinhos, tomar um chá com bolo com os amigos, comprar DVD pra assistir  e, quando quiser, ligar a TV novamente. E conversar sobre. Se Sexo e As Negas não nos representa, por que não dialogar a respeito, ao invés de combater o incombatível, e dar forças para quem não tem?

A luta do negro pelo respeito é antiga e legítima. Não vamos enfraquecer essa busca, que existe antes mesmo da gente sonhar em nascer.  Falamos tanto em Mandela, tanto em Martin Luther King, bravos guerreiros, que lutaram pela IGUALDADE (sem violência) e agimos como os temidos barões do cacau: “Não gosto, não sei quem é, não me interessa, acaba, não vai existir”. Menos, bem menos.

Confesso também que, por outro lado, estou adorando o debate, ver gente se posicionando, mostrando não engolir toda e qualquer coisa. Nada ali tem que nos representar. Alguém vai assistir o novo seriado de Glória Peres, sobre o psicopata buscando referência? Não, né? Vamos conversar, vamos debater, refletir… Mas censurar? Ai, que preguiça.

É lógico que todo racista precisa ser punido. Por isso, vamos tomar cuidado com esse termo, pra não enfraquecer uma causa que é justa. Fico pra morrer quando ouço “alguém dizer que agora tudo é racismo”. Não, nem tudo é racismo. Mas é. Fiquemos ligados, mas tomemos cuidado pra de vítima, não virarmos réus. É só do que eles precisam. Nos enfraquecer, nos fragilizar, nos desmoralizar. Tem muita gente por aí se fazendo de bonzinho, principalmente em época de eleições, querendo “trocar votos por dentadura”.

Vumbora? Mas leve, porque tem muita coisa querendo atrasar nosso lado. Sigamos pra frente.

Respeito é bom e todo mundo gosta. Foto tirada da internet (http://klaucio7.blogspot.com.br/2013_11_01_archive.html)

Respeito é bom e todo mundo gosta.
Foto tirada da internet (http://klaucio7.blogspot.com.br/2013_11_01_archive.html)

Beijo

Clique aqui e curta a página do blog no facebook.