11 de Janeiro de 2015

“Dicaszinhas”!!!



Então… O título é podre, mas vamos lá !!!

Adoooooooooooro livros !!! Muitas vezes compro e deixo na estante, mas sei que lerei todos.  Espero. Estou, inclusive nessa fase. Tenho alguns até que estou atrasada para fazer a resenha aqui. Atualmente estou no segundo livro da trilogia Cinquenta Tons de Cinza, publicado aqui no Brasil pela Editora Intrínseca. Não se surpreenda por eu ler um livro lançado lá em 2012. Eu sou dessas. Não queria. Mas sou. Ainda mais para quem leu os livros da autora Sylvia Day que, para mim, é a versão melhorada dessa turma de tons.

50 tons 1

Capa da versão brasileira

Eu também comprei um LEV, leitor de livros de digitais da Livraria Saraiva (tipo Kindle) e armazenei vários. Acho que uns trezentos. A louca !!! Decidi começar pelos da autora desse bestseller, a inglesa Erika Leonard James. Assim que terminar darei meu parecer e farei um paralelo com a trilogia (agora quintologia – soube hoje que é assim que se chama quando são cinco livros de uma mesma série) Crossfire de Sylvia, que lançou em Novembro o quarto e eu já li. Uhuhuhuhu !!! Já li quatro livros de novembro para cá. O que pra muitos é pouco, né? Mas que pra mim é um façanha, diante dos últimos acontecimento de my life.

Pra que esse desabafo todo, hein? Ah, lembrei. É porque minha cabeça está fervilhando. Muitas ideias e super na vontade de trabalhá-las. Bom, assim que decidi vir para o Hawaii, tive que pensar em coisas para fazer e, com isso, criar uma rotina que me adaptasse mais rapidamente a essa nova terra.

Number one: Me dedicar mais ao meu blog. Fazer dele um espaço super habitado e ativo. Ok. Tá rolando. Calmamente e sem histeria.

Number two: Meu curso de inglês. Não vou me sentir em casa se não conseguir falar de igual para igual, se não souber a língua do lugar, se não puder ler, escrever, entender, dar meus dixotes, vivenciar o lugar. E para isso, o inglês é necessário. Do you agree? OK. Já me matriculei e estou entrando na segunda semana. Meu nível não é alto, mas tudo bem. Sinto que vai rolar. Para o alto e avante” !!!

Number three: Ser rata da academia. Não só para ficar forte (também), mas pela saúde. Preciso eliminar as toxinas, perder as gorduras indesejadas, ter uma boa resistência e me preparar para minha velhice. Ok também. Super rolando. Me matriculei há alguns dias, mas só há três estou assídua, como tem que ser. Sou louca pelo pilates e já sinto saudades das aulas com Freddy Ortis, mas enquanto não acho nada nessa linha aqui, a academia será de bom tom.

Number four: Achar os chás que sempre me acompanham. Não sei o que fazer para achar algo com igual equivalência ao chá de carqueja (amarga, mas é ótimo para limpar o fígado e o pâncreas das bestagens que a gente consome); chá de boldo (além de limpar o organismo é ótimo para acabar com a dor de barriga) e estigma de milho (ótimo para fortalecer e limpar os rins). Ainda não é OK. Estou começando as buscas, mas não achei nada nem perto. Deixa eu me sentir da galera. Conversando com minhas amigas japonesas, só descobri chás gostosos, para passar o tempo e ser feliz, mas quero para “sair do chão”. Comprei vários para trazer, mas tive medo da alfândega. Vamos ver !!!

Number five: Ler todos os livros da minha biblioteca. Tenho muuuuuuuuuitos livros, não trouxe todos, mas os que tenho aqui já dão um bom caldo. Tenho muito trabalho pela frente. Ok. Já comecei também. Ainda no Brasil. Preciso deixar o meu LEV de lado alguns dias e colocar em dia a leitura dos livros físicos. Todos “agregam valor ao camarote, me deixando ocupada e feliz.

Inclusive, como comecei falando sobre isso, quero falar aqui sobre algumas de minhas escolhas literárias.  Minhas primeiras indicações para vocês, fogem um pouco dessa linha romance erótico, que eu falarei (e muuuuuito) depois, em outro post.

Estou bem numa fase romântica de minha vida, vivendo um “amor recíproco e saudável”, mas com o pé no chão. Então, decidi ir por esse caminho.

Vamos a alguns livros?

Estou lendo Manual do Mimimi – Do casinho ao casamento (ou vice versa) – Editora Paralelade Lia Bock, uma autora paulista, que trabalha na revista Trip. Está rolando em doses homeopáticas, porque quero que demore mesmo. O livro é uma delícia !!! É uma coleção de crônicas bem humoradas sobre relacionamentos. Uma espécie de manual sobre a mulher, suas venturas e desventuras amorosas desde o famoso casinho até o sonhado (ou não) casamento. Adoooooooooro !!!

Capa de Manual do Mimimi

Capa de Manual do Mimimi

Eis o trecho da crônica DÁ PRA SER OU TÁ DIFÍCIL?: 

“Quinze coisas que todo mundo deveria nascer sabendo: Dizer ‘não’. Fazer um belo sexo oral. A tabuada do 9. Que quem procura, ACHA. O caminho mais curto. Qual é o dia fértil. Que só a gente percebe os três quilos a mais. Quem matou Odete Roitman. A saudação ao Sol. Que o dia seguinte é que é o problema. Onde fica o botão “não vou me apaixonar”. Que o banco nunca está do nosso lado. Que o celular  ‘alheio’ é o pior inimigo do equilíbrio emocional. Que um sofá dura tanto quanto um casamento. E que nem sempre a gente tem razão.”

Estou também namorando o livro Americanah, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, publicado aqui no Brasil pela Companhia das Letras. “Americanah” define os nigerianos que vão os Estados Unidos e “se americanizam”. A história é de Ifemelu, uma nigeriana que vai morar nos states e se depara com muitas questões, dentre elas, a discriminação racial.

1242615-250x250

Uma das capas de Americanah – Essa é brasileira

“Mas Ifemelu não gostava de ter que ir a Trenton para trançar o cabelo. Não era surpreendente que não houvesse um salão de beleza especializado em Princeton – os poucos negros que ela vira ali tinham a pele tão clara e o cabelo tão liso que era difícil imaginá-los usando tranças -. mas, enquanto esperava o trem na Princenton Junction, num atarde incandescente de calor, Ifemelu se perguntou por que não hava um lugar ali onde pudesse fazer suas tranças.”

Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie

Me identifico muito com o livro, já que, além de negra,  com todas as questões que nos são inerentes, decidi partir para a América do Norte com todos os receios inevitáveis. Também pensei como cuidaria dos meus cabelos (ainda hoje não sei). Na Bahia, as esquinas são muitas. Se a gente não conhece, é só chegar na Liberdade ou no Orixás Center e se informar. Além do que, a gente aprende NA TORA a ser nosso personal hair. Minha mãe fez curso no SENAC pra cuidar das nossas madeixas, porque, na época Soft Shen era caro demais e éramos três cabeludas afros em casa. Aqui em Hawaii a maioria é japanese people. Ou seja, cabelos sem voltas e sem químicas. Mas já vi algumas da minha paleta nas ruas. Qualquer dia desses, com o inglês mais afiado, chamo na xinxa e faço amizade.

Tem também o blog que ela escreve com as suas questões, que tem muito a ver com o que sinto, porém que ainda estou iniciando o caminho. Mas acredito que seja só nesses dois pontos (muitos, para mim) que há uma interseção em nossas vidas. Comprei pela sinopse e estou amando !!!  Mas ainda é gerúndio. Estou LENDO. Quando eu terminar (estou com muitos livros ao mesmo tempo, faço uma resenha).

Bom, como o post ficou grande, vou ficar por aqui e vou ali ler o tal “Cinquenta Tons…”. Doida pra terminar. O livro de agora tem 591 páginas. Misericórdia !!!

E sigamos !!!

Categoria(s):
COMPARTILHE:
Comentar
2 Comentários sobre: ““Dicaszinhas”!!!
  1. Indira Nascimento

    Paty,

    Muito bom! Vou acompanhá-la e um livro que me indicaram foi de Chimamanda e vou comprar pra gente resenhar. kisses e good luck.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *