CADA UM TEM A PATRÍCIA QUE MERECE!

CADA UM TEM A PATRÍCIA QUE MERECE!

Você está na categoria:

Baƒaƒá (Crônicas|Resenhas I Promoções I Vídeos I Entrevistas)

8 de fevereiro de 2015

TUTORIAL TORSO (TURBANTE)

Olá !!!

Há muito tempo tenho vontade de fazer um vídeo tutorial explicando como fazer um torso  (turbante) decente e bonito. Fiz um post no meu blog antigo, há alguns anos, que bombou de pedidos. Então, já que também decidi me aventurar pelo youtube, aqui segue o tutorial prático e fácil.

Adoro descobrir tecidos e colocar meus torsos. Me sinto mais poderosa, mais bicuda, mais segura, mais próxima dos meus… Uso para ir a uma festa, para uma peça de teatro, para ir à feira, ao supermercado, à academia, para religião… Pode ser por estilo, por preguiça de pentear os cabelos… Ele sempre está comigo. Sei que chama a atenção e que nem todo mundo está preparado para se deparar com uma negra de torso pelas ruas da Bahia. Uma contradição já que estamos na terra mais preta do Brasil, uma terra que não se reconhece.

Um cara uma vez também soltou: “Lá vem ela com a toalha na cabeça!”. É, eu vou, eu venho mesmo. O torso me representa. De verdade.

O tamanho do tecido você decide. Depende do tipo de amarração que você quer. O ideal é que seja sempre retangular, por causa do volume do negócio.

Você encontrar em lojas de departamento, comprar um tecido e pedir para costureira fazer a bainha. Eu, por isso, compro sempre echarpe. Encontro muitos em lojas que vem bijuterias.

Lembrando que torso (turbante) é muito mais do que moda e estilo. Ele é traz muitas histórias e muita significação.

Sei que existem muitos tutorias parecidos por aí, mas esse é o meu. Fique super a vontade.

 

Categoria(s):
COMPARTILHE:
26 de janeiro de 2015

HAWAII COM ACARAJÉ – BARBECUE (CHURRASCO)

Mais um vídeo no ar !!! Passei uma tarde DIVERTIDA com minhas amigas japonesas !!!

Vão lá !!! Não deixem de CURTIR, COMPARTILHAR e SE INSCREVER no canal !!!!

Beeeeeeeeeijos

 

Categoria(s):
COMPARTILHE:
21 de janeiro de 2015

Primeiro vídeo do blog… Emoção pura !!!

Há tempos estou estudando editar vídeos. E sozinha. Agora, finalmente consegui editar alguns vídeos que fui fazendo pelos meus passeios.

Mike me ajudou bastante. A musica de abertura do blog é dele. Amei.

Alguns vídeos ficaram tremidos, mas estou melhorando e me divertindo muito. Espero que vocês gostem.

Beijos

 

Categoria(s):
COMPARTILHE:
11 de janeiro de 2015

“Dicaszinhas”!!!

Então… O título é podre, mas vamos lá !!!

Adoooooooooooro livros !!! Muitas vezes compro e deixo na estante, mas sei que lerei todos.  Espero. Estou, inclusive nessa fase. Tenho alguns até que estou atrasada para fazer a resenha aqui. Atualmente estou no segundo livro da trilogia Cinquenta Tons de Cinza, publicado aqui no Brasil pela Editora Intrínseca. Não se surpreenda por eu ler um livro lançado lá em 2012. Eu sou dessas. Não queria. Mas sou. Ainda mais para quem leu os livros da autora Sylvia Day que, para mim, é a versão melhorada dessa turma de tons.

50 tons 1

Capa da versão brasileira

Eu também comprei um LEV, leitor de livros de digitais da Livraria Saraiva (tipo Kindle) e armazenei vários. Acho que uns trezentos. A louca !!! Decidi começar pelos da autora desse bestseller, a inglesa Erika Leonard James. Assim que terminar darei meu parecer e farei um paralelo com a trilogia (agora quintologia – soube hoje que é assim que se chama quando são cinco livros de uma mesma série) Crossfire de Sylvia, que lançou em Novembro o quarto e eu já li. Uhuhuhuhu !!! Já li quatro livros de novembro para cá. O que pra muitos é pouco, né? Mas que pra mim é um façanha, diante dos últimos acontecimento de my life.

Pra que esse desabafo todo, hein? Ah, lembrei. É porque minha cabeça está fervilhando. Muitas ideias e super na vontade de trabalhá-las. Bom, assim que decidi vir para o Hawaii, tive que pensar em coisas para fazer e, com isso, criar uma rotina que me adaptasse mais rapidamente a essa nova terra.

Number one: Me dedicar mais ao meu blog. Fazer dele um espaço super habitado e ativo. Ok. Tá rolando. Calmamente e sem histeria.

Number two: Meu curso de inglês. Não vou me sentir em casa se não conseguir falar de igual para igual, se não souber a língua do lugar, se não puder ler, escrever, entender, dar meus dixotes, vivenciar o lugar. E para isso, o inglês é necessário. Do you agree? OK. Já me matriculei e estou entrando na segunda semana. Meu nível não é alto, mas tudo bem. Sinto que vai rolar. Para o alto e avante” !!!

Number three: Ser rata da academia. Não só para ficar forte (também), mas pela saúde. Preciso eliminar as toxinas, perder as gorduras indesejadas, ter uma boa resistência e me preparar para minha velhice. Ok também. Super rolando. Me matriculei há alguns dias, mas só há três estou assídua, como tem que ser. Sou louca pelo pilates e já sinto saudades das aulas com Freddy Ortis, mas enquanto não acho nada nessa linha aqui, a academia será de bom tom.

Number four: Achar os chás que sempre me acompanham. Não sei o que fazer para achar algo com igual equivalência ao chá de carqueja (amarga, mas é ótimo para limpar o fígado e o pâncreas das bestagens que a gente consome); chá de boldo (além de limpar o organismo é ótimo para acabar com a dor de barriga) e estigma de milho (ótimo para fortalecer e limpar os rins). Ainda não é OK. Estou começando as buscas, mas não achei nada nem perto. Deixa eu me sentir da galera. Conversando com minhas amigas japonesas, só descobri chás gostosos, para passar o tempo e ser feliz, mas quero para “sair do chão”. Comprei vários para trazer, mas tive medo da alfândega. Vamos ver !!!

Number five: Ler todos os livros da minha biblioteca. Tenho muuuuuuuuuitos livros, não trouxe todos, mas os que tenho aqui já dão um bom caldo. Tenho muito trabalho pela frente. Ok. Já comecei também. Ainda no Brasil. Preciso deixar o meu LEV de lado alguns dias e colocar em dia a leitura dos livros físicos. Todos “agregam valor ao camarote, me deixando ocupada e feliz.

Inclusive, como comecei falando sobre isso, quero falar aqui sobre algumas de minhas escolhas literárias.  Minhas primeiras indicações para vocês, fogem um pouco dessa linha romance erótico, que eu falarei (e muuuuuito) depois, em outro post.

Estou bem numa fase romântica de minha vida, vivendo um “amor recíproco e saudável”, mas com o pé no chão. Então, decidi ir por esse caminho.

Vamos a alguns livros?

Estou lendo Manual do Mimimi – Do casinho ao casamento (ou vice versa) – Editora Paralelade Lia Bock, uma autora paulista, que trabalha na revista Trip. Está rolando em doses homeopáticas, porque quero que demore mesmo. O livro é uma delícia !!! É uma coleção de crônicas bem humoradas sobre relacionamentos. Uma espécie de manual sobre a mulher, suas venturas e desventuras amorosas desde o famoso casinho até o sonhado (ou não) casamento. Adoooooooooro !!!

Capa de Manual do Mimimi

Capa de Manual do Mimimi

Eis o trecho da crônica DÁ PRA SER OU TÁ DIFÍCIL?: 

“Quinze coisas que todo mundo deveria nascer sabendo: Dizer ‘não’. Fazer um belo sexo oral. A tabuada do 9. Que quem procura, ACHA. O caminho mais curto. Qual é o dia fértil. Que só a gente percebe os três quilos a mais. Quem matou Odete Roitman. A saudação ao Sol. Que o dia seguinte é que é o problema. Onde fica o botão “não vou me apaixonar”. Que o banco nunca está do nosso lado. Que o celular  ‘alheio’ é o pior inimigo do equilíbrio emocional. Que um sofá dura tanto quanto um casamento. E que nem sempre a gente tem razão.”

Estou também namorando o livro Americanah, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, publicado aqui no Brasil pela Companhia das Letras. “Americanah” define os nigerianos que vão os Estados Unidos e “se americanizam”. A história é de Ifemelu, uma nigeriana que vai morar nos states e se depara com muitas questões, dentre elas, a discriminação racial.

1242615-250x250

Uma das capas de Americanah – Essa é brasileira

“Mas Ifemelu não gostava de ter que ir a Trenton para trançar o cabelo. Não era surpreendente que não houvesse um salão de beleza especializado em Princeton – os poucos negros que ela vira ali tinham a pele tão clara e o cabelo tão liso que era difícil imaginá-los usando tranças -. mas, enquanto esperava o trem na Princenton Junction, num atarde incandescente de calor, Ifemelu se perguntou por que não hava um lugar ali onde pudesse fazer suas tranças.”

Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie

Me identifico muito com o livro, já que, além de negra,  com todas as questões que nos são inerentes, decidi partir para a América do Norte com todos os receios inevitáveis. Também pensei como cuidaria dos meus cabelos (ainda hoje não sei). Na Bahia, as esquinas são muitas. Se a gente não conhece, é só chegar na Liberdade ou no Orixás Center e se informar. Além do que, a gente aprende NA TORA a ser nosso personal hair. Minha mãe fez curso no SENAC pra cuidar das nossas madeixas, porque, na época Soft Shen era caro demais e éramos três cabeludas afros em casa. Aqui em Hawaii a maioria é japanese people. Ou seja, cabelos sem voltas e sem químicas. Mas já vi algumas da minha paleta nas ruas. Qualquer dia desses, com o inglês mais afiado, chamo na xinxa e faço amizade.

Tem também o blog que ela escreve com as suas questões, que tem muito a ver com o que sinto, porém que ainda estou iniciando o caminho. Mas acredito que seja só nesses dois pontos (muitos, para mim) que há uma interseção em nossas vidas. Comprei pela sinopse e estou amando !!!  Mas ainda é gerúndio. Estou LENDO. Quando eu terminar (estou com muitos livros ao mesmo tempo, faço uma resenha).

Bom, como o post ficou grande, vou ficar por aqui e vou ali ler o tal “Cinquenta Tons…”. Doida pra terminar. O livro de agora tem 591 páginas. Misericórdia !!!

E sigamos !!!

Categoria(s):
COMPARTILHE:
19 de dezembro de 2014

Reality bostassssss

Eu gosto, sim, de reality shows. Já gostei mais. E desisti de alguns. Mas gosto.

realitytv1

Lá atrás, já curti muito o “Big Brother Brasil” e o “Fama”. Na época em que tudo era novidade e as pessoas eram mais interessantes. Agora é todo mundo parecido e todo mundo correndo atrás da fama. Big Brother há muito tempo virou uma Big Bosta.

O “Fama”, programa de disputa musical, onde os candidatos eram altamente preparados, treinados e instigados, ficou lá atrás e quase ninguém que passou por ele vingou. Com exceção de Thiaguinho, que é, sem duvida, o mais bem sucedido; de Adelmo Casé e de Marina Elali, que ficaram bem concentrados em suas regiões e de Dan, que vez por outra, emplaca alguma musica na novela, luru… Poderia ter durado mais, mas enfim…

Há pouco tempo conheci o “The Voice” e o “Are You The One?”. E dos dois o único que continuo curtindo é o “Are You The One?”, um programa da MTV, onde 10 homens e 10 mulheres, “presos” numa casa, em algum lugar paradisíaco, precisam usar a cabeça para descobrirem o seu par ideal. Se todos conseguirem, ganham o prêmio de 1.000.000,00 (Hum milhão de dólares) a ser dividido por todos, o que resulta em 50.000 (cinquenta mil dólares) para cada, além da possibilidade de conhecerem o amor de sua vida.

A primeira versão do “The Voice” foi massa ou a gente gostou pela novidade. O fato é que achei os candidatos bons e os técnicos razoáveis. Não dá para julgar melhor os técnicos, já que temos Claudia Leitte e Daniel como técnicos, né? Carlinhos Brown, apesar de falar muita bobagem e de se propor a virar o pateta do grupo, na primeira edição, era junto com Lulu Santos, os melhores. Tanto que Elen Oléria, a ganhadora, era de seu time. Era emoção a cada programa, a cada votação, a cada classificação e eliminação. E Ellen foi, sem duvida foi A VOZ de TODOS os THE VOICES. A segunda temporada foi patética e deu a Sam  (quem?) o título. Mas, agora, a terceira edição conseguiu ser pior. Os finalistas são podres. O único que presta é Lui Medeiros, que canta muito bem, mas OK. Nada demais. Tem outro ponto que faz o programa descer a ladeira. Para que tanta gente cantando inglês? O nome não é THE VOICE BRASIL? Socorro!!! Em suma, o programa é medíocre, as análises dos técnicos são rasteiras e o resultados são constrangedores.

Pensa que acabou? Nãaaaaaaaaaaao. Vamos falar da aberração das aberrações? O programa “Esse Artista Sou Eu?”, exibido pelo SBT, onde sete artistas tem o desafio de imitar outros artistas, vivos ou não é disparado o pior de todos. A ideia é interessante, mas a execução, misericórdia.  Para mim, o problema é a direção. É deprimente. Sem falar no protecionismo  descarado em cima de Vanessa Jackson, que é claramente ajudada pelo programa, pois as suas interpretações são todas próximas de sua chave. Quem já ouviu Vanessa sabe que ela tem uma pegada próxima de Michael Jackson, Whitney Houston, Elza Soares, Aretha Franklin… Todos perfeitamente imitados por ela, enquanto os outros artistas precisam se desdobrar em imitações surreais. Exemplo é Marcelo Augusto imitar Mamonas Assassinas, Christian Chaves imitar Thalia, Rosemary imitar Valesca Pouposuda. Por que desafio para uns e não para a OUTRA? Ok, se todos fossem desafiados nesse mesmo modelo, mas não é o caso. Isso sem falar daqueles jurados que há muito deveriam estar aposentados, pois podem entender de “idolos”, “pop stars”, sei lá, e outras merdas, mas de imitações… SOCORRO !!! Prova disso é que no ultimo programa cabia a Vanessa imitar Lara Fabian cantando aquela musiquinha que serviu de fundo para Carolina Dieckman, como Camila, raspar os cabelos em Laços de Família, novela de Manoel Carlos.  A cena foi Vanessa no palco de peruca loura a “la Fabian” e uma imagem no vídeo dela raspando os cabelos e chorando numa imitação à cena de Carolina. Nada contra Vanessa, pelo contrário, ela é a melhor cantora ali. E emocionou mesmo. Mas o desafio dela era imitar Lara Fabian e não Carolina. Foi apelativo, sim. E os jurados poderiam, sim, ter dado esse toque, apesar de toda emoção. Mas eles prefeririam cair na armadilha, típica de programa sensacionalista e dar as melhores notas para ela. Volto a repetir, Vanessa tem a melhor voz. Inclusive, foi a primeira vencedora do “Fama”. Mas atualmente, teoricamente, programa de voz é o “The Voice”. Ou seja, está tudo trocado. Romero, do The Bost, aquela imitação barata de Thiaguinho e/ou Alexandre Pires, deveria trocar de lugar com Vanessa. Decididamente, quando assisto “Esse Artista Sou Eu?” é o vídeo colocado no facebook, e só para ver a performance de Marcelo Augusto, a quem eu muito respeito. De resto, é só ladeira abaixo e pagação de mico.

Com exceção de “Are You The One”, que acabou sua segunda temporada na semana passada e que em breve terá sua versão brasileira, não perco mais meu tempo com esses programas. Aliás, uso o “The Voice” como desculpa para encontrar meus amigos às quintas, quando  comemos, tomamos vinho e esperamos “Amor & Sexo”, o melhor programa da TV aberta na atualidade.

Olha só: Não sou crítica de TV, mas sou publico e, como tal, eu falo merrrrrrrrrrrrrmo.

Categoria(s):
COMPARTILHE:
...10...1819202122...