Tag: polêmica

NO SEU PESCOÇO | Chimamanda Ngozi Adichie

Categoria(s): | Publicado em: 14 de outubro de 2017

📍ALERTA SORTEIO DE LIVRO 📍

 

chimamanda ngozi adichie

 

 

 

“No seu pescoço contém todos os elementos que fazem da autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie uma das principais escritoras contemporâneas. Nos doze contos que compõem o volume, encontramos a sensibilidade da autora voltada para a temática da imigração, da desigualdade racial, dos conflitos religiosos e das relações familiares. Combinando técnicas da narrativa convencional com experimentalismo, como no conto que dá nome ao livro — escrito em segunda pessoa —, Adichie parte da perspectiva do indivíduo para atingir o universal que há em cada um de nós e, com isso, proporciona a seus leitores a experiência da empatia, bem escassa em nossos tempos.”

 

 

 

“NO SEU PESCOÇO”  é dos novos livros da escritora Nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie. Ela é conhecida pelos livros “MEIO SOL AMARELO”, “HIBISCO ROXO”, “AMERICANAH“… Inclusive esse último é o meu xodó. Quando estava vindo para os Estados Unidos, comprei esse e de pronto me identifiquei. Conta a experiência do negro não americano nos Estados Unidos. Ifemelu é uma estudante nigeriana (qualquer semelhança com a autora não é mera coincidência, contém alguns elementos autobiográficos), que parte para os Estados Unidos, em busca de estudos, já que a Universidade na Nigéria, só vive em greve. Chegando em terras americanas, elas se depara com os problemas inerentes a todos os negros não americanos. É muito bom! Prepare o lencinho que a emoção é forte.

           

 

Agora, começando a leitura de mais um livro de Chimamanda. Dessa vez vou de “NO SEU PESCOÇO”. Se você estiver a fim de ler e/ou gostaria de compartilhar sua experiência comigo, vou mandar esse livro para sua casa. Basta se ligar no REGULAMENTO e BOA SORTE!

REGULAMENTO “NO SEU PESCOÇO” de Chimamanda Ngozi Adichie

 

📌Tem que seguir o INSTAGRAM @patriciarammos, curtir na foto do livro lá e comentar também na foto a frase “NO SEU PESCOÇO” 
📌Tem que comentar no vídeo “ROMANCES COM PRETAS/PRETOS PROTAGONISTAS” abaixo qual é o nome das 4 autoras citadas no vídeo. 

 

         


📌Sorteio dia 29 de Outubro de 2017.
📌 Válido somente para quem mora no Brasil.
📌Resultado em todas as minhas redes sociais.

Muito simples, né, minha gente?

Mais um pouquinho sobre a PROMOÇÃO “NO SEU PESCOÇO”

         

Agora é com vocês !!!

 

Load More
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.

 


Carol Moreira, Vin Diesel e o tribunal

Categoria(s): | Publicado em: 25 de dezembro de 2016

Sabe vergonha alheia? Eu tenho muitas vezes. E coisa de colocar a culpa na vítima é vergonhoso, pra não dizer criminoso, porque é a real.

A ultima foi a história de Carol Moreira, a youtuber que entrevistou o astro de Hollywood Vin Diesel e reclamou de não ter conseguido fazer o que queria no trabalho, porque ele a interrompeu várias chamando-a de sexy, bonita e bla bla… Bastou a menina colocar o vídeo no youtube e assumir que não gostou, pra mídia e o tribunal da web cair em cima. Em cima de quem? Adivinhe? Dela, é claro. Geral dizendo que ela é oportunista e que deveria ficar feliz com o elogio, que ele foi apenas gentil. Depois ainda foram fuçar o passado dela pra comparar a vez que também durante uma entrevista, ela sentou no colo de outro astro: MOMOA,  o ator Jason Momoa, da série “Game of Thrones”. Sendo que em tal entrevista tanto ela, quanto MOMOA estavam, sim, se divertindo. E estavam, sim, os dois participando. Dois dançando a mesma dança.

hqdefault

           

Vídeo dela no colo de MOMOA. Veja a partir de 5 minutos.

         

A famosa entrevista

Primeiro, quem é você pra mensurar o sentimento do outro? Como ela recebeu e o que sentiu não é da sua conta. Segundo, li em algum lugar um texto e gostei: “Se eu sento no colo de X e X consente, isso é ok. Mas isso não quer dizer “ok” pra Y, X, Z… acharem que devo aceitar a cantada ou sentar no colo deles”. A gente senta no colo e dar PARA QUEM A GENTE QUISER. Isso não quer dizer PARA QUEM QUISER. E vale tanto para homem ou para mulher.

E pra fechar o pacote e fazendo um paralelo, aqui nos Estados Unidos, as pessoas e grande parte da mídia condenaram a atitude dele. Acharam invasiva e exagerada. E o próprio veio à publico pedir desculpas. Ele sabe que aqui até um olho torto gera processo. E a lei funciona. Você pode ser o papa, mas se vacilar, limpa latrina também. Aqui não adianta só pedir desculpas. Você não pode invadir o espaço do outro, se ele não quiser, se ele não permitir. No Brasil, a vítima é sempre a vilã. E o tribunal da web baseia seus vereditos em provas coletadas by “pai” google ou na mesma mídia que em geral condena. A mesma que cria qualquer “ponto com ponto br” e vira fonte segura.

vin-diesel-entrevistadora

Fecho com Carol: “Se tá dando tanta polêmica é pq precisamos falar sobre esse tipo de comportamento.”

Diante da repercussão, Van Diesel publicou um pedido de desculpas em sua página no facebook.

CLIQUE AQUI !!!

Tem a versão de Carol Moreira no facebook dela também.

VEJA AQUI !!!

Amiguinhxs

Em suma: Inocente é quem não é culpado. Não o anjinho da turma da Mônica. Ou seja, o fato de uma pessoa ser inocente numa situação, não quer dizer que ela quer ou é uma santa. Ela pode dar muito, pra muitos. Ainda assim não o direito de qualquer um achar que pode também. E só a pessoa pode dizer OK e NÃO OK.

Agora quando a gente não gosta a gente fala, viu?

Ah! E pelo amor de Deus, FEMINISMO não é o contrário do MACHISMO. Quase 2017, gente. E agora, quando dói, a gente fala. Tá difícil? Tá! Seja criativo sem ofender ninguém.

 


E HOMOFOBIA… É NORMAL?

Categoria(s): | Publicado em: 30 de maio de 2016

Para mim um dos maiores problemas de nós, seres humanos, é mania de dar parte da vida dos outros. Isso parece alimento.
Acho triste, fico pra morrer. Esse é o maior problema do HOMOFÓBICO. Ainda não entendeu que não tem que entender nada. Apenas respeitar.

Muito mais do EU ACHO ISSO ou ACHO AQUILO é sabermos se isso é da nossa conta. #EuAcho

Tem vídeo sobre a polêmica envolvendo uma apresentadora famosa. Vem ver !!!

Homofobia


Musinha fitness?!

Categoria(s): | Publicado em: 4 de fevereiro de 2015

Essa semana foi é coisa, viu?

Anna Clara, uma garota de 9 anos, virou de polêmica porque, apesar da pouca idade, levanta peso e receita dieta para seus seguidores no instagram, sendo, inclusive, chamada de musa fitness. Menos, né?  Os pais querem cartaz (dizer que a menina queria dois mil seguidores. Oi?) e a gente fica de besta discutindo sobre se é certo ou não.

Não sou da turma que acha um absurdo. Se ela está sendo assistida por um profissional gabaritado e só executa exercícios para seu biotipo, que mal há? “Diz que” ela é muito criança para levantar peso, mas enfim… Muito “diz que diz que” em cima da filha dos outros. Não é trabalho escravo, não estão batendo, não estou maltratando… Então não tenho nada com isso. Sou da máxima dos mais velhos: “Quem pariu Matheus que balance”. O resto é vida de quelé.

CLIQUE na foto e saiba mais sobre o buxixo !!!

 

Foto : Reprodução/Instagram

Foto : Reprodução/Instagram

 

 


“Sexo e as negas”?

Categoria(s): | Publicado em: 10 de setembro de 2014
Elenco de "Sexo e As Negas" e o Autor

Elenco de “Sexo e As Negas” e o Autor

Gatíssimos, como nós estamos chatos, hein?

Que bafafá é esse em torno de “Sexo e As Negas”? Uma minissérie que nem estreou? Segundo o autor, Miguel Falabella, o seriado é inspirado na série americana “Sex And The City” (amo) e quem já viu, pode comprovar o quanto enaltece as mulheres, assinalando a importância de se valorizar o querer e o ser feminino. A mulher também tem o direito de falar de sexo, de fazer sexo e de querer sexo. É saudável, todo mundo faz ou quer fazer, mas ainda “trabalhados no moralismo exacerbado” fingem que não. É ainda a história da culpa católica? O seriado não é machista, pelo contrário, poderíamos chamar de feminista, de revolucionário. Assisti a todos os episódios e filmes, sou louca pelas aventuras de Carrie, Samantha, Charlote e Miranda e, muitas vezes, vi nelas falas que queria que fossem ou eram minhas. O apaixonar-se, desapaixonar-se, o lidar bem com o corpo, com os quereres, com as vontades, as frustrações… Mulheres que dizem “sim” e dizem “não”, mulheres que são donas de suas vontades, desejos e fantasias.

Quando o autor falou que bebeu na fonte desse seriado, fiquei muito curiosa e quando soube as quatro protagonistas seriam mulheres negras, pulei de alegria! Que não tenham gostado do nome, ok. É cafona mesmo e, a primeira vista, tendencioso. E ainda como passa na TV com  a voz de Miguel Falabella fazendo a chamada, piorou. Chulo demais. Mas eu também acho o nome americano brega. Traduzindo seria “O Sexo e A Cidade”. Oi? Concordo que ouvindo assim, o nome da versão brasileira, nu e cru, sugere várias coisas. Coisas positivas e negativas. Mas a pergunta é: Por que escolher as coisas negativas antes de saber qual é a proposta?  Qual é o problema de ser na favela? Vi um monte de gente reclamando disso. Por que não ser no Leblon? Oi? E por que tem que ser? Por que o Leblon é sinônimo de coisa boa e a favela não? Há quanto tempo não sonhamos em ver atores negros protagonistas da Globo? Há quanto tempo não brigamos por mais espaço na TV? Mulheres buscando o seu papel de respeito numa sociedade machista e ultrapassada? Ô sonho bom! E esse “auê” todo só provou isso. Que somos completamente machistas e ultrapassados. E o pior: escondemos tudo isso atrás de causas legítimas. Porque lutar contra o racismo é um de nossos maiores desafios. Ele (o racismo) é nocivo, é indecente, é desrespeitoso e leviano. Mas vamos combinar que muitas vezes a gente está surtando? Sou negra, mulher, atriz e não vi mal algum em ver mulheres negras falando de sexo. A gente fala de preconceito e está fazendo igual. Ninguém viu nenhum capítulo pra questionar o que quer que seja. Se seremos vistas como objetos ou não, vamos ver primeiro e depois a gente conversa. Que tal?

É claro que precisamos estar atentos, mas isso não quer dizer “estar censores”. Uma coisa foi aquele episódio da cerveja Devassa, onde havia várias opções de cervejas e justamente a  que se referia a negra era a mais baixo astral, estereotipada. Aliás, associar cerveja à mulher, é completamente equivocado e de ultima, vamos combinar? E quando associam isso também às suas cores e etnias fica mais puxado ainda.

Miguel Falabella pode ser cafona, mas quem acompanha o trabalho dele durante todos esses anos na TV, deve ter percebido que sempre teve um olhar mais popular. Não seria no Leblon, porque o Leblon é de Manoel Carlos. Não seria na Barra da Tijuca, porque esta é de Agnaldo Silva. Miguel gosta da periferia, da favela, do popular (não popularesco) e isso é massa! Seus trabalhos sempre tiveram negros, brancos, ricos e pobres misturados. Sempre recheados de críticas sociais, acobertadas pelo humor. Se foram coisas boas ou ruins, são outros quinhentos. Até porque hoje em dia coisa boa na TV está difícil. Não sou muito fã das obras dele, mas não vamos bancar os censores, “os senhores da razão”, novos “senhores de escravos”. Vamos ver. Se nos ferir,  a gente processa, a gente discute, a gente debate… Mas julgar antes de conhecer, é  preconceito, é CENSURA. E não é essa a nossa luta, né? CENSURAR é coisa pra quem deve. E sabemos muito bem que não somos nós os verdadeiros devedores.

O objetivo é mostrar que somos iguais e não inverter a ordem da discriminação. Não é uma briga contra branco, é contra o preconceito. E a gente não pode combater isso fazendo o mesmo. Um pouco mais de serenidade e coerência não fazem mal para ninguém. Porque respeito é bom e, graças a Deus, todo mundo gosta.

Que as meninas atrizes arrasem, que venham pra ficar, que seja ótimo e que “as negas” sejam vitoriosas e donas de suas vidas!

Fiquem bem e sigamos!